Conecte-se com a gente!

TECNOLOGIA

O Open Banking levou a um boom FinTech – À medida que Brite arrecada US$ 60 milhões, o pagamento conta a conta cresce

A mudança para pagamentos Open Banking, especialmente na UE, deu efetivamente o pontapé inicial no boom da FinTech. Os padrões Open Baking significavam que as startups FinTech poderiam criar carteiras e efetivamente se tornarem bancos, ou pelo menos “Neo Banks”, em termos práticos do dia-a-dia.

Hoje, as carteiras digitais são o método de pagamento líder mundial no comércio eletrônico, com uma participação de 49%, de acordo com o Relatório de Pagamentos Globais da Worldpay. Dito isto, os chamados pagamentos conta a conta (A2A) estão em alta, com o valor global da transação A2A ultrapassando US$ 525 bilhões em 2022, devido à agora disponibilidade de trilhos de pagamento em tempo real.

Tem havido um número crescente de startups aproveitando esse boom A2A, entre elas Confiável de Estocolmo, que até à data angariou 23 milhões de euros.

No entanto, poderão agora sentir alguma pressão por parte do seu outro vizinho com sede em Estocolmo, Brite Pagamentos, que anunciou hoje uma arrecadação de fundos Série A de US$ 60 milhões liderada pelo investidor especialista em software B2B Dawn Capital. Também participaram da rodada o VC Headline alemão/americano (renomeado eVentures) e o investidor existente Incore (fora da Suécia).

Antes desta rodada, Brite havia levantado dinheiro inicial de um pequeno investidor não institucional Agof Investimentos que é administrado por Marcos Blom ao lado Nicolai Chamizo (Presidente da Brite e também CEO da Incore).

Brite, que só foi lançado em 2019 e foi fundado pela ex-executiva da Klarna, Lena Hackelöer, teve um ano de destaque em 2022, alegando ter dobrado seu volume de transações e receitas, e alcançado lucratividade. A sua plataforma está agora disponível em 25 países da Europa, embora não no Reino Unido (que já não é membro da UE).

É importante notar que a Dawn Capital foi uma das primeiras apoiadoras de outros líderes suecos de fintech, como a iZettle (vendida ao PayPal por US$ 2,2 bilhões) e a Tink (adquirida pela Visa por US$ 2,0 bilhões). A Headline já havia apoiado a Pismo, o provedor brasileiro de infraestrutura de pagamentos (que saiu para a Visa por US$ 1,0 bilhão).

Numa entrevista, Hackelöer disse-me que acha que a plataforma de pagamento da Brite está a decolar “em grande parte porque nos concentramos na troca instantânea de conta para conta, e isso significa que processamos as transacções entre o consumidor e nós próprios, o que realmente não acontecia antes”. . Se você olhar para o Reino Unido, você tem esquemas de pagamento rápido, então esse é um mercado que é obviamente muito maduro. Mas não operamos no Reino Unido, operamos na maior parte da Europa neste momento, e lá, o instante ainda não é o padrão. Então é isso que nos diferencia dos jogadores conta a conta de primeira geração.”

Existe agora uma infinidade de plataformas de pagamento A2A, cada uma com suas próprias características únicas. No Brasil, o Banco Central desenvolveu o PIX, enquanto no Canadá, o Interac Online é um serviço de pagamento de comércio eletrônico fornecido pela Interac, uma colaboração privada entre os principais bancos canadenses. Além disso, o Conselho Nacional de Pagamentos da Índia e o Banco Central da Índia lançaram a Interface Unificada de Pagamentos (UPI) na Índia em 2016.

Os comerciantes são fãs particulares das plataformas de pagamento A2A porque reduzem o custo de aceitação de pagamentos em comparação com os cartões de crédito, ao mesmo tempo que oferecem liquidação instantânea de fundos. A tendência parece ser que os consumidores também estão gradualmente a abandonar os cartões de crédito e a optar por alternativas mais recentes, como a utilização direta do cartão de crédito, carteiras digitais, BNPL (compre agora, pague depois) e outras opções de financiamento no ponto de venda. A criptografia continua sendo um método de pagamento secundário. Com mais esquemas de pagamento A2A disponíveis do que nunca, parece que esta tendência só irá continuar.

Josh Bell, sócio geral da Dawn Capital, acrescentou em comunicado: “Estamos à beira do open banking 2.0. A perspectiva de que os pagamentos conta a conta em tempo real se tornem comuns em toda a Europa está no horizonte e Brite pretende ser o líder da categoria.”

Certamente, nesta ronda de financiamento, a Brite está bem posicionada para utilizar o seu fundo de guerra para expandir ou potencialmente celebrar alguns acordos de fusões e aquisições com outros intervenientes.

Fonte: techcrunch.com

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe sua resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TECNOLOGIA

Slack sob ataque por política sorrateira de treinamento de IA

Na esteira do contínuo problemas sobre como a grande tecnologia está se apropriando de dados de indivíduos e negócios no treinamento de serviços de IA, uma tempestade está se formando entre os usuários do Slack, preocupados com a forma como a plataforma de bate-papo de propriedade da Salesforce está avançando com sua visão de IA.

A empresa, como muitas outras, está aproveitando os dados de seus próprios usuários para treinar alguns de seus novos serviços de IA. Mas acontece que se você não quiser que o Slack use seus dados, você terá que enviar um e-mail para a empresa para cancelar.

E os termos desse compromisso estão escondidos no que parece ser uma política de privacidade confusa e desatualizada, à qual ninguém estava prestando atenção. Esse foi o caso do Slack, até que uma pessoa irritada postou sobre eles em um site da comunidade extremamente popular entre os desenvolvedores, e então a postagem se tornou viral… e foi o que aconteceu aqui.

Tudo começou ontem à noite, quando uma nota sobre Hacker News levantou a questão de como o Slack treina seus serviços de IA, por meio de um link direto para seu princípios de privacidade – nenhum comentário adicional foi necessário. Essa postagem deu início a uma conversa mais longa – e o que parecia ser uma novidade para os usuários atuais do Slack – que o Slack aceita os usuários por padrão em seu treinamento de IA e que você precisa enviar um e-mail para um endereço específico para cancelar.

Aquele tópico do Hacker News então estimulou múltiplo conversas e perguntas sobre outras plataformas: Existe um novoproduto genericamente denominado “IA folgada”que permite aos usuários procurar respostas e resumir tópicos de conversas, entre outras coisas, mas por que isso não é mencionado uma vez pelo nome na página de princípios de privacidade de alguma forma, mesmo para deixar claro se a política de privacidade se aplica a ela? E por que o Slack faz referência tanto a “modelos globais” quanto a “modelos de IA”?

Entre as pessoas confusas sobre onde o Slack está aplicando seus princípios de privacidade de IA e as pessoas surpresas e irritadas com a ideia de enviar um e-mail para cancelar a participação – em uma empresa que faz questão de alardear que “Você controla seus dados” – o Slack faz não saiu bem.

O choque pode ser novo, mas os termos não o são. De acordo com páginas do Arquivo da Internetos termos são aplicáveis ​​pelo menos desde setembro de 2023. (Pedimos confirmação à empresa.)

De acordo com a política de privacidade, o Slack está usando dados de clientes especificamente para treinar “modelos globais”, que o Slack usa para potencializar recomendações de canais e emojis e resultados de pesquisa. O Slack nos diz que o uso dos dados tem limites específicos.

“O Slack tem modelos de aprendizado de máquina em nível de plataforma para coisas como recomendações de canais e emojis e resultados de pesquisa. Não construímos ou treinamos esses modelos de forma que eles possam aprender, memorizar ou reproduzir alguma parte dos dados do cliente”, disse um porta-voz da empresa ao TechCrunch. No entanto, a política não parece abordar o âmbito geral e os planos mais amplos da empresa para a formação de modelos de IA.

Em seus termos, Slack diz que se os clientes optarem por não receber treinamento em dados, eles ainda se beneficiarão dos “modelos de IA/ML treinados globalmente” da empresa. Mas, novamente, nesse caso, não está claro por que a empresa está usando os dados do cliente para potencializar recursos como recomendações de emojis.

A empresa também disse que não usa dados de clientes para treinar Slack AI.

“O Slack AI é um complemento adquirido separadamente que usa modelos de linguagem grandes (LLMs), mas não treina esses LLMs nos dados do cliente. O Slack AI usa LLMs hospedados diretamente na infraestrutura AWS do Slack, para que os dados do cliente permaneçam internamente e não sejam compartilhados com nenhum provedor de LLM. Isso garante que os dados do cliente permaneçam sob o controle da organização e exclusivamente para uso dela”, disse um porta-voz.

É provável que parte da confusão seja resolvida mais cedo ou mais tarde. Em resposta a uma crítica sobre Threads do engenheiro e escritor Gergely Orosz, o engenheiro do Slack Aaron Maurer concedido que a empresa precisa atualizar a página para refletir “como esses princípios de privacidade funcionam com o Slack AI”.

Maurer acrescentou que esses termos foram escritos numa época em que a empresa não tinha Slack AI, e essas regras refletem o trabalho da empresa em torno de pesquisas e recomendações. Valerá a pena examinar os termos das atualizações futuras, dada a confusão em torno do que o Slack está fazendo atualmente com sua IA.

As questões no Slack são um lembrete claro de que, no mundo em rápida evolução do desenvolvimento da IA, a privacidade do utilizador não deve ser uma reflexão tardia e os termos de serviço de uma empresa devem definir claramente como e quando os dados são utilizados ou se não o são.

Tem alguma dica de novidade? Entre em contato com Ingrid com segurança no Signal via ingrid.101 ou aqui. (Sem propostas de relações públicas, por favor.)

Estamos lançando um boletim informativo sobre IA! Inscrever-se aqui para começar a recebê-lo em suas caixas de entrada em 5 de junho.

Fonte: techcrunch.com

Continue lendo

TECNOLOGIA

Aproveite o efeito TechCrunch: organize um evento paralelo no Disrupt 2024

O TechCrunch Disrupt 2024 está chegando e o burburinho é palpável. Mas e se disséssemos que há uma chance de você não apenas comparecer, mas também colocar sua marca no centro das atenções com seu próprio evento durante o encontro de tecnologia mais esperado do ano? Sim, você leu certo – você tem a oportunidade de hospedar um Evento paralelo no TechCrunch Disrupt 2024!

Por que organizar um evento paralelo?

Imagine isto: você, no comando do seu próprio evento, com acesso a mais de 10.000 das mentes mais brilhantes da indústria de tecnologia, todas ansiosas para se envolver, conectar e colaborar. Organizar um evento paralelo no TechCrunch Disrupt 2024 concede acesso incomparável a uma vasta rede de participantes, influenciadores e colaboradores em potencial. É a sua chance de mostrar sua marca, compartilhar sua experiência e estabelecer conexões significativas que podem impulsionar seu negócio a novos patamares.

O que você pode hospedar?

As possibilidades são infinitas. Se você deseja organizar um encontro do setor, oferecer horário comercial para VC, realizar workshops ou simplesmente organizar um happy hour descontraído, o palco é seu. Deixe sua criatividade correr solta e crie um evento que realmente reflita sua marca e seus interesses. Afinal, no TechCrunch Disrupt a inovação não tem limites.

Você pode hospedar eventos de 26 de outubro a 1º de novembro de 2024. Observe que não permitimos que eventos paralelos ocorram durante o horário da conferência, de 28 a 30 de outubro. Mas os eventos noturnos nos dias de conferência são totalmente bons para nós!

Como se envolver

Pronto para aproveitar os holofotes e hospedar seu próprio evento paralelo no TechCrunch Disrupt 2024? É mais fácil do que você pensa. Basta enviar sua proposta de evento, detalhando sua visão, objetivos e requisitos logísticos. Depois de aprovado, você terá todo o apoio da equipe TechCrunch Disrupt para dar vida ao seu evento.

A inscrição e a participação são 100% gratuitas — inscreva-se aqui.

Fonte: techcrunch.com

Continue lendo

TECNOLOGIA

Amostra de apresentação de sementes: apresentação de US$ 5,5 milhões da Goodcarbon

Os créditos de carbono (e a sua comercialização) são um grande negócio, mas pode ser desnecessariamente complicado resolvê-los. Bom carbono apenas levantou uma rodada de € 5,25 milhões (cerca de US$ 5,5 milhões) para prejudicar esse mercado. Vamos dar uma olhada no baralho que a empresa usou para levar para casa aquele saco de dinheiro.


Estamos procurando apresentações de argumentos de venda mais exclusivas para desmontar: veja como você pode se envolver. Leia todas as nossas mais de 90 análises de argumentos de venda aqui.

Slides desta apresentação

Goodcarbon tem uma apresentação de 18 slides que possui um muito de repetição nele; mais da metade da apresentação da empresa é a seção de problemas e soluções. Os mais atentos entre vocês devem ter percebido que isso significa que falta um monte de coisas, mas chegaremos lá. Abaixo está uma lista dos slides. A empresa afirma que removeu os slides de solicitação e uso de fundos, e alguns dos outros slides também foram editados. O que resta ainda é um deck bastante decente:

  1. Slide da capa
  2. Slide do problema: Contexto global
  3. Slide do problema: Contexto do mercado
  4. Slide do problema: A necessidade de remoção de carbono
  5. Slide do problema: O preço dos créditos de carbono
  6. Slide do problema: É difícil encontrar créditos de carbono
  7. Slide da solução: Construção de portfólio de carbono
  8. Slide da solução: Construindo carteiras de crédito de carbono
  9. Slide da solução: exemplos de projetos de portfólio
  10. Slide de solução: Como funciona parte 1
  11. Slide de solução: Como funciona parte 2
  12. Slide do cliente
  13. Slide de tração: Receita
  14. Slide de tração: Clientes
  15. Slide de tração: Fornecimento
  16. Slide de estudo de caso
  17. Slide da equipe
  18. Fechando slide

Três coisas para amar na apresentação da Goodcarbon

O objetivo dos decks é contar uma história convincente que pinta o quadro que diz: “Meu Deus, se você perder esse investimento, você realmente vai se arrepender pelo resto da vida”. Goodcarbon faz um bom trabalho nessa frente.

Um mercado grande e crescente

É surpreendentemente complicado contar boas histórias sobre empresas de carbono porque sempre envolve um certo grau de descrição de um futuro que todos sabe está chegando, mesmo que ninguém saiba quando está chegando. Goodcarbon faz um ótimo trabalho aqui:

[Slide 5] O crescimento explosivo do custo dos créditos de carbono significa uma enorme – e em rápido crescimento – oportunidade global.
Créditos da imagem: Bom carbono

Pintar um quadro de algo enorme, inevitável e crescente é uma maneira fácil de explicar que você está buscando um tamanho de mercado ao qual vale a pena prestar atenção. Se você conseguir encontrar uma maneira de delinear uma tendência como essa em sua apresentação, você está no caminho certo.

Tenho que adorar uma boa abordagem de portfólio

Você sabe uma coisa que os VCs amam absolutamente? Portfólios. Eles vivem e respiram carteiras de risco de spread como parte de suas próprias teses de investimentoe se você conseguir convencê-los de que está ajudando a reduzir o risco por meio de uma abordagem de portfólio, muitas vezes estará falando a linguagem certa.

[Slide 7] Posicionando-se como uma plataforma de equilíbrio de risco gerenciado com abordagem de portfólio? Sim, superinteligente.
Créditos da imagem: Bom carbono

Um dos grandes desafios da compensação de carbono é que não se sabe necessariamente quão seguros são esses créditos. “Muitas das compensações de carbono oferecidas hoje estão desatualizadas, são de baixa qualidade ou são difíceis de verificar. Eles correm o risco de aumentar as emissões globais em vez de reduzi-las”, de acordo com um recente Relatório global da S&P. Então, o que você faz quando há alto risco? Você distribui o risco – se uma parte do seu portfólio der errado, o resto irá (espero) equilibrar as coisas.

O problema, claro, é que a compensação de carbono e a compra de créditos já são bastante complicadas, por isso o equilíbrio de riscos é ainda mais difícil. Goodcarbon não faz que grande parte do ângulo do portfólio do que está fazendo, mas foi um dos aspectos mais inovadores e criativos do seu negócio, na minha opinião. Muito bem, encontrando espaço para isso no convés.

Prova social fora do controle

Goodcarbon tem alguns excelente tração, mas acrescenta isso à prova social: empresas que confiam na goodcarbon com sua estratégia de carbono.

[Slide 12] Ei, eu reconheço alguns desses logotipos.
Créditos da imagem: Bom carbono

A prova social é uma ferramenta poderosa em uma apresentação de argumento de venda. A Goodcarbon teria ficado bem sem ele, mas não pode fazer mal – e o que a empresa poderia estar fazendo é preparar a bomba para algumas das ligações de referência que sem dúvida estão acontecendo entre a reunião inicial e o investimento.

Três coisas que Goodcarbon poderia ter melhorado

Como sugeri acima, o deck Goodcarbon é bastante decente, mas há então falta muita informação. Algumas delas são deixadas de fora propositalmente, mas mesmo assim, este baralho não funcionaria se você estivesse captando recursos de um investidor institucional dos EUA.

Uma lista de verificação das informações que faltam

Eu alimentei este deck por meio de minha ferramenta de revisão de deck com tecnologia de IA, e ele deu um resumo bastante contundente:

O resumo da apresentação de slides Goodcarbon: Faltam muitas informações, pessoal.
Créditos da imagem: Guia de pitch/Haje Kamps

Sim, são muitas peças faltantes do quebra-cabeça.

  • Slide da competição: Você definitivamente preciso de um slide de competição.
  • Slide de entrada no mercado: Como você vai alcançar seus clientes?
  • Cliente alvo: Mas primeiro, quem são seus clientes? Claro, você provavelmente pode deduzir isso do resto do baralho, mas não há mal nenhum em ser explícito. Bom personas do cliente realmente ajudar a resolver isso.
  • Plano operacional: Sou um grande fã de um plano operacional fácil de ler, além de finanças mais detalhadas. Suponho que eles foram deixados de fora deste baralho quando a empresa o enviou ao TechCrunch, mas os investidores são pessoas do setor financeiro, então é melhor garantir que você saia na frente dessa conversa.
  • Modelo de negócio: Há muito pouco neste deck explicando como a Goodcarbon vai ganhar dinheiro.
  • Modelo de preços: Ou quanto está cobrando por seus serviços. Ambos são aspectos cruciais de um pitch, para saber se este é um bom investimento.
  • Economia unitária: A economia unitária (ou seja, como o custo de entrega do seu serviço muda à medida que a sua empresa cresce) está na extremidade da escala “financeira avançada”, mas para um negócio tão complexo, teria sido uma boa ideia incluir .
  • Fosso: Há um número enorme de empresas tentando resolver esse problema. O facto de não haver queda na concorrência é uma coisa, mas como é que a Goodcarbon vê o seu negócio como defensável? Existem patentes? Existe tecnologia? Existe algo mais que o coloca à frente de seus concorrentes?

Existem muitas listas de verificação excelentes do que precisa ser incluído em uma apresentação de argumento de venda (ah, ei, aqui está um que eu criei anteriormente) e não há desculpa para deixar nada de fora.

Precisamos conversar sobre esse slide da equipe

[Slide 17] Sim mas …
Créditos da imagem: Bom carbono

Observe o slide acima e pergunte-se: esta é uma equipe perfeita para administrar uma empresa de créditos de carbono? Meu instinto diz que não, então, quando chegássemos a esse deslize no campo, eu diria à equipe: “OK, então vocês me convenceram de que vale a pena resolver este problema. Explique-me por que você é a equipe certa para meus US$ 5,5 milhões.”

Só para constar, a resposta “correta” aqui seria a equipe olhar para mim como se eu fosse um lunático furioso e voltar ao slide de tração. “Olha o que fizemos, seu boneco. Nós provamos nosso valor.”

Ainda assim, esse deslizamento da equipe poderia fazer um trabalho muito mais pesado.

Se você precisar de tantos slides para explicar o problema…

Honestamente, não há realmente um bom slide de produto em nenhum lugar da apresentação. Qual é a aparência do produto? Quais são os recursos e funcionalidades? Quanto disso é realmente construído em comparação com uma invenção do Figma? Mas não vou dar muita importância a Goodcarbon por causa disso. O motivo pelo qual vou criticá-lo, porém, é o seguinte: a empresa gastou mais da metade de sua apresentação em slides de problemas e soluções.

Coloque-se no lugar dos investidores: você realmente acha que eles precisam de cinco slides para se convencerem de que (a) isso é um problema, (b) isso é um problema com um enorme impacto e (c) este é um problema que vale a pena resolver?

A empresa poderia ter removido quase um quarto de sua apresentação resumindo os 10 slides de problemas e soluções em dois ou três slides, destacando apenas as coisas que podem ser novas ou incomuns na maneira como a empresa aborda o problema. A verdade é que se um investidor neste espaço não têm uma compreensão firme do problema e dos efeitos das alterações climáticas, não vão investir de qualquer maneira. Não desperdice seu fôlego ou seus pixels tentando convencê-los do contrário; em vez disso, vá direto ao ponto.

A apresentação completa do argumento de venda


Se você quiser que sua própria apresentação de argumento de venda seja apresentada no TechCrunch, aqui estão mais informações. Além disso, confira todas as nossas desmontagens de pitch deck tudo coletado em um lugar acessível para você!

Fonte: techcrunch.com

Continue lendo

Top

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com