Conecte-se com a gente!

TECNOLOGIA

A 10 Minute School visa democratizar a educação para estudantes de Bangladesh

O acesso à educação em Bangladesh está repleto de desigualdades, dizem os fundadores da edtech Escola de 10 Minutos. Muitas áreas rurais não têm bons centros de aprendizagem e, como resultado, os estudantes viajam para a capital Dhaka para se prepararem para os exames de admissão à universidade. Essa opção, porém, só está disponível para famílias que tenham condições financeiras.

Originalmente criada como um canal no YouTube, a 10 Minute School (abreviada para 10MS) quer democratizar o acesso ao ensino complementar para alunos do ensino fundamental e médio em todo o país. A startup, que afirma ser a maior empresa de edtech em Bangladesh, anunciou hoje que levantou um valor pré-Série A de US$ 5,5 milhões, o maior financiamento inicial até agora para uma startup de Bangladesh. Isso eleva o total de 10MS para US$ 7,5 milhões.

O 10MS oferece aulas transmitidas ao vivo para alunos do ensino fundamental e médio, aulas pré-gravadas, preparação para testes de admissão à universidade e questionários personalizados, entre outros conteúdos, que podem ser acessados ​​por meio de um aplicativo para smartphone. Até o momento, conta com 35 mil videoaulas gravadas e mais de 82 mil questionários, além de recursos como modelos de testes, e-books e notas de aula que cobrem todo o currículo nacional. 52% dos seus estudantes são provenientes de zonas rurais e semi-urbanas fora de Dhaka e 34% são raparigas (um dos objectivos do 10MS é abordar as desigualdades de género na educação).

A nova rodada da 10MS vem de uma combinação de investidores privados e governamentais. O financiamento foi liderado pela Conjunction Capital, com a participação do investidor Peak XV’s Surge (anteriormente Sequoia Capital India), do fundo de risco soberano do governo de Bangladesh, Startup Bangladesh Limited, do fundador e CEO do CRED Kunal Shah, do sócio-gerente da MyAsiaVC Sajid Rahman e de vários anjos locais investidores.

O cofundador Ayman Sadiq iniciou o 10MS como um canal no YouTube em 2015. Sadiq, que leciona desde 2012, foi anteriormente professor em um importante centro de coaching em Dhaka. Durante esse período, ele percebeu que muitos de seus alunos enfrentavam dois obstáculos: o custo das mensalidades e a viagem de suas cidades natais para Dhaka, que não possuíam centros de treinamento.

“Foi aí que surgiu a ideia ingênua de que eu poderia gravar todos os vídeos e carregá-los no YouTube gratuitamente, para que ninguém precisasse vir à capital e ninguém precisasse pagar nada”, diz Sadiq. Ele também se inspirou fortemente em plataformas de aprendizagem online como Khan Academy e edX. Depois de atingir 100 mil seguidores no YouTube, Sadiq disse que percebeu que a ideia era escalonável.

Entre 2015 e 2019, o canal do YouTube conquistou patrocinadores, incluindo operadoras de telecomunicações, empresas de eletrônicos e marcas FMCG, e produziu mais de 25.000 vídeos cobrindo todo o plano de estudos K12. Então a pandemia chegou e os patrocinadores começaram a desistir. Sadiq percebeu que para tornar seu projeto sustentável teria que criar uma versão paga. Assim, a 10MS produziu seu primeiro produto premium, um livro e um curso pagos.

“Curiosamente, aquele livro e curso pagos individualmente tiveram mais de 100.000 usuários pagantes”, disse ele. “Isso nos deu instantaneamente uma ideia de que podemos realmente monetizar algumas de nossas ofertas e soluções e transformar isso em um negócio sustentável.”

A nova empresa começou a procurar investidores e, em 2022, arrecadou US$ 2 milhões em financiamento inicial liderado por Surge, o programa de expansão da Sequoia India (agora Peak XV).

Agora que a 10MS aumentou sua pré-Série A, ela planeja investir em suas capacidades tecnológicas, conteúdo e operações, diz o cofundador e COO Mirza Salman Hossain Beg. Ele acrescentou que o objetivo da 10MS é fornecer experiências de aprendizagem personalizadas para os alunos usando IA e trará mais engenheiros e gerentes de produto para apoiar seu desenvolvimento tecnológico.

Os cofundadores da 10 Minute School, Abdullah Abyad Raied, Ayman Sadiq e Mirza Salman Hossain Beg

Outra área importante de investimento para o 10MS é o conteúdo que se adapta ao currículo em evolução do ensino fundamental e médio de Bangladesh. “O governo do Bangladesh está neste momento a passar por muitas mudanças massivas no currículo nacional e, como resultado disso, haverá muitos conteúdos novos a serem criados para apoiar o novo currículo”, diz Beg.

A 10MS também está atualmente explorando um modelo híbrido online/offline, com centros para educação pós-escolar, e criando uma nova vertical para seu material em inglês através da construção de uma equipe de vendas separada.

Curiosamente, a última startup de Bangladesh a arrecadar o maior financiamento inicial do país também foi uma edtech. Shikho, que se concentra em alunos do ensino fundamental, arrecadou um total de US$ 5,3 milhões em financiamento inicial em março de 2022. Shikho é um dos concorrentes do 10MS, mas Beg diz que o 10MS tem a vantagem de ser mais antigo e maior e de ensinar uma gama mais ampla de séries.

Quando questionado sobre o que está motivando o interesse pela edtech em Bangladesh, Beg disse que o sistema educacional do país enfrenta muitos desafios. “Temos uma base enorme de 42 milhões de alunos matriculados no ensino fundamental e médio e a maioria dos alunos não tem acesso a professores de qualidade, a conteúdos de qualidade, porque quem realmente mora fora da capital não tem bons professores em seu país. área”, disse ele. “O problema fundamental que precisa ser resolvido é o acesso a conteúdos e professores de qualidade de maneira muito acessível.” A Edtech tem a oportunidade de democratizar o acesso à educação, alcançando os alunos pelo celular onde quer que estejam.

Numa citação de investidor, o sócio-gerente da Conjunction Capital, Kirill Kozhevnikov, disse: “Isto marca o nosso primeiro empreendimento no mercado de Bangladesh e estamos confiantes de que esta parceria redefinirá o cenário educacional no país”.

Fonte: techcrunch.com

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe sua resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TECNOLOGIA

Os robôs podem tornar os trabalhos menos significativos para os colegas humanos

Muito foi (e continuará a ser) escrito sobre o impacto da automação no mercado de trabalho. No curto prazo, muitos empregadores queixaram-se da incapacidade de preencher funções e reter trabalhadores, acelerando ainda mais a adoção da robótica. O impacto a longo prazo que este tipo de mudanças radicais terá no futuro do mercado de trabalho ainda está por ver.

Um aspecto da conversa que é frequentemente negligenciado, no entanto, é como os trabalhadores humanos sentir sobre seus colegas robóticos. Há muito a ser dito sobre sistemas que aumentam ou eliminam os aspectos mais árduos do trabalho operário. Mas poderá a tecnologia também ter um impacto negativo no moral dos trabalhadores? Ambas as coisas certamente podem ser verdadeiras ao mesmo tempo.

O Brookings Institute emitiu esta semana resultados extraído de diversas pesquisas realizadas na última década e meia para avaliar o impacto que a robótica tem no “significado” do trabalho. O grupo de reflexão define a noção reconhecidamente abstrata assim:

“Ao explorar o que torna o trabalho significativo, confiamos na teoria da autodeterminação. De acordo com esta teoria, satisfazer três necessidades psicológicas inatas – competência, autonomia e relacionamento – é fundamental para motivar os trabalhadores e permitir-lhes experimentar um propósito através do seu trabalho.”

Os dados foram recolhidos a partir de inquéritos a trabalhadores realizados em 14 indústrias em 20 países da Europa, com referência cruzada com dados de implantação de robôs emitidos pela Federação Internacional de Robótica. As indústrias pesquisadas incluíram automotiva, produtos químicos, alimentos e bebidas e produção de metal, entre outras.

O instituto relata um impacto negativo nos níveis de significância e autonomia percebidos pelos trabalhadores.

“Se a adoção de robôs na indústria de alimentos e bebidas aumentasse para corresponder à da indústria automotiva”, observa Brookings, “estimamos uma redução impressionante de 6,8% na significância do trabalho e uma diminuição de 7,5% na autonomia”. O aspecto da autonomia fala de uma preocupação constante sobre se a implementação da robótica em ambientes industriais tornará as funções desempenhadas pelos seus homólogos humanos também mais robóticas. É claro que muitas vezes se fez o contraponto de que estes sistemas eliminam efectivamente muitos dos aspectos mais repetitivos destes papéis.

O Instituto prossegue sugerindo que estes tipos de impactos são sentidos em todas as funções e dados demográficos. “Descobrimos que as consequências negativas da robotização para a significância do trabalho são as mesmas, independentemente do nível de educação dos trabalhadores, do nível de competências ou das tarefas que executam”, observa o documento.

Quanto à forma de abordar esta mudança, a resposta provavelmente não será simplesmente dizer não à automação. Enquanto os robôs tiverem um impacto positivo nos resultados financeiros de uma empresa, a adoção continuará em ritmo cada vez maior.

Milena Nikolova, residente de Brookings, oferece uma solução aparentemente simples, escrevendo: “Se as empresas tiverem mecanismos para garantir que os humanos e as máquinas cooperem, em vez de competir, pelas tarefas, as máquinas podem ajudar a melhorar o bem-estar dos trabalhadores”.

Este é um dos impulsos que definem as empresas de automação que promovem a robótica colaborativa, em vez da substituição total dos trabalhadores. Colocar os humanos contra os seus homólogos robóticos será quase certamente uma batalha perdida.

Fonte: techcrunch.com

Continue lendo

TECNOLOGIA

Wiz está em negociações para comprar Lacework por US$ 150-200 milhões; empresa de segurança foi avaliada pela última vez em US$ 8,3 bilhões

A consolidação continua em ritmo acelerado no mundo da segurança. Fontes nos dizem que Renda – uma startup de segurança em nuvem avaliada em US$ 8,3 bilhões após o dinheiro em sua última rodada de financiamento – está em negociações para ser adquirida por outro player de segurança, Wizpor um preço de apenas US$ 150 milhões – US$ 200 milhões.

Fontes próximas das negociações afirmaram que as duas partes já assinaram uma carta de intenções e descreveram o estado das negociações como “algures no meio”. Ou seja, a aquisição ainda não foi concluída e o negócio ainda pode fracassar. Embora ambas trabalhem na área mais ampla da segurança na nuvem, fontes dizem-nos que há relativamente pouca sobreposição competitiva entre as duas empresas, pelo que provavelmente seria um jogo de tecnologia mais talento mais aquisição de clientes. Ainda estamos tentando descobrir mais termos do acordo, como se seria em ações, dinheiro ou um mix.

A Wiz disse em diversas ocasiões que pretende atingir US$ 1 bilhão em ARR antes de um IPO. Entendemos que seu prazo flexível é o final de 2025, mas considerando que anunciou um ARR de apenas US$ 350 milhões em fevereiro de 2024, ele precisa ser agressivo no aumento de volume para chegar lá. A Laceworks, sabemos, tem ARR de cerca de US$ 100 milhões.

(A informação também relatou alguns dos detalhes acima hoje.)

O acordo ressalta uma história de duas partes.

Parte um: As startups de segurança continuam a atrair muita atenção de financiamento, mas algumas empresas que atingiram valorizações elevadas nos últimos anos estão a lutar para justificar esses números e estão a considerar as suas opções à medida que se aproximam do fim do seu ciclo de financiamento.

Pelo que entendemos, os investidores da Laceworks – a lista mais longa inclui Snowflake Ventures, GV, General Catalyst, Tiger Global e muitos mais – estavam comprando a empresa para potenciais compradores, e foi assim que Wiz entrou em cena.

Devemos observar que a Laceworks não é a única empresa de segurança que sofre uma redução de avaliação. Na semana passada, demos a notícia de que Noname estava em negociações para ser adquirida pela Akamai por US$ 500 milhõesdepois de ter sido avaliado pela última vez em US$ 1 bilhão.

Parte dois: Outros intervenientes estão a emergir como consolidadores neste processo. Wiz – avaliada em cerca de US$ 10 bilhões – é uma delas.

A empresa está se posicionando como um balcão único para todas as questões de segurança na nuvem a caminho de seu IPO. No início deste mês adquirido Gem Security por US$ 350 milhões, e parece que as fusões e aquisições não terminarão com a Laceworks.

“A Wiz experimentou um crescimento orgânico sem precedentes desde o seu início e estamos empenhados em impulsionar esse crescimento ainda mais”, disse um porta-voz da Wiz em comunicado fornecido ao TechCrunch. “Simultaneamente, reconhecemos que a consolidação é o futuro da indústria de segurança e, portanto, estamos ativamente envolvidos em discussões com empresas de toda a indústria. Estamos sempre explorando oportunidades atraentes de fusões e aquisições que irão aprimorar nossas capacidades tecnológicas e expansão de negócios, à medida que nos esforçamos para construir a plataforma de segurança em nuvem líder mundial”.

Fonte: techcrunch.com

Continue lendo

TECNOLOGIA

Cape disca US$ 61 milhões do A16Z e mais para serviços móveis que não usam dados pessoais

Recente da AT&T mega violação de dados de clientes — 74 milhões de contas impactadas — revelaram a quantidade de dados que os portadores de dados têm sobre seus usuários e também que os dados estão lá para serem hackeados. Hoje, uma startup chamada capa – com sede em Washington DC e fundada por um ex-executivo da Palantir – está anunciando US$ 61 milhões no financiamento para construir o que afirma ser uma abordagem muito mais segura: não será capaz de divulgar o seu nome, endereço, número de segurança social ou localização, porque, em primeiro lugar, nunca os solicita.

“Você não pode vazar ou vender o que não tem”, é diz. “Pedimos a quantidade mínima de informações pessoais e armazenamos credenciais confidenciais localmente em seu dispositivo, não em nossa rede. Isso é privacidade desde o projeto.”

O financiamento é notável em parte porque o apelo do Cabo aos utilizadores ainda não foi comprovado. A empresa só saiu do sigilo há quatro meses e ainda não lançou um serviço comercial para os consumidores – isso deve acontecer em junho, disse o CEO e fundador John Doyle em uma entrevista. Tem um projeto piloto em operação, implantando parte de sua tecnologia com o governo dos EUA, garantindo comunicações em Guam.

Os US$ 61 milhões que está anunciando hoje são uma agregação de três rodadas, uma Semente e uma Série A de US$ 21 milhões (criado quando ainda estava em modo furtivo como uma empresa chamada Tecnologia privada) e uma Série B de US$ 40 milhões. A última rodada está sendo co-liderada por A* e Andreessen Horowitz, com a participação de XYZ Ventures, ex/ante, Costanoa Ventures, Point72 Ventures, Forward Deployed VC e Karman Ventures. A Cape não divulga sua avaliação.

Doyle terá atraído a atenção dos investidores em parte porque as suas funções anteriores incluíram quase nove anos de trabalho para Palantir como chefe do seu negócio de segurança nacional e, antes disso, como Sargento das Forças Especiais no Exército dos EUA.

Esses empregos podem expô-lo a usuários (departamentos governamentais) que tratavam a segurança das informações pessoais e a privacidade em torno do uso de dados como essenciais. Mas, de forma mais empreendedora, também o fizeram pensar nos consumidores.

Com o grande foco que a privacidade e a segurança dos dados têm hoje na consciência pública – normalmente devido às muitas notícias ruins que ouvimos sobre violações de dados, as atividades invasoras das redes sociais e muitas questões sobre a segurança nacional e as redes digitais – há uma clara oportunidade de construir ferramentas como essas também para pessoas comuns, mesmo que isso pareça impossível hoje em dia.

“Na verdade, é uma das razões pelas quais comecei a empresa”, disse ele na entrevista. “Parece que o problema é muito grande, certo? Parece que nossos dados já estão disponíveis e de todas essas maneiras diferentes e não há realmente nada a ser feito a respeito. Todos nós adotamos um desamparo aprendido em relação à capacidade de estar conectado, mas temos algum tipo de privacidade, algum tipo de controle sobre nossos próprios dados, mas isso não é necessariamente verdade.”

Os primeiros esforços do Cabo concentrar-se-ão em fornecer eSIMs para usuários, que Doyle disse que seriam vendidos essencialmente em formato pré-pago para evitar os dados que um contrato poderia envolver. (A Cape também anunciou hoje uma parceria com a USCellular – que fornece um MNVO cobrindo 12 redes celulares, e Doyle disse que está conversando com outras empresas de telecomunicações também). Inicialmente, é improvável que o eSIM seja integrado a qualquer dispositivo móvel, embora isso também não esteja fora de questão no futuro, disse Doyle. A empresa também não fornecerá serviços de criptografia para aplicativos, chamadas de voz e dados móveis, pelo menos não inicialmente.

“Não estamos focados em proteger o conteúdo das comunicações. Há uma série de soluções baseadas em aplicativos, aplicativos como Proton Mail e Signal, e WhatsApp e outras plataformas de mensagens criptografadas que fazem um bom trabalho, em vários graus, dependendo de quem você confia para proteger o conteúdo de suas comunicações. ,” ele disse. “Estamos focados na sua localização e nos seus dados de identidade, em particular, no que se refere à conexão com a infraestrutura celular comercial, que é um conjunto de problemas relacionados, mas separado.”

A Cape não é a única empresa no mercado que está tentando (ou tentou, no passado) abordar a privacidade na esfera móvel, mas nenhuma delas realmente deixou sua marca até agora. Na Europa, os esforços recentes incluem o MVNO Murenao fabricante do sistema operacional Jollae a empresa de hardware ponto. Aqueles que vieram e partiram incluem o Telefone de privacidade (FreedomPop) e Telefone preto (de Geeksphone e Silent Circle).

Atualmente, você também já tem a opção de comprar anonimamente um SIM pré-pago nos EUA, mas Cape ressalta que essa corrente tem outras vantagens e desvantagens e não é tão segura quanto o que Cape está construindo. Embora os pagamentos para isso possam ser anônimos, os dados de um usuário ainda são roteados através da infraestrutura de rede da operadora subjacente, tornando observáveis ​​os movimentos e o uso do usuário. Você também pode estar sujeito a ataques de troca de SIM e spam.

Para a16z, o investimento passa a fazer parte do esforço “American Dynamism” da empresa, que esta semana obteve um Aumento de US$ 600 milhões dos últimos US$ 7,2 bilhões em fundos que o VC levantou.

“A tecnologia da Cape é uma resposta para vulnerabilidades críticas e de longa data na infraestrutura de telecomunicações atual, que impactam tudo, desde a segurança interna até a privacidade do consumidor”, disse Katherine Boyle, sócia geral da Andreessen Horowitz, em um comunicado. “A equipe é a primeira a aplicar esse calibre de força de P&D para repensar as redes de telecomunicações legadas e está bem posicionada para remodelar a maneira como as operadoras de telefonia móvel pensam sobre seus assinantes – como clientes em vez de produtos.”

Fonte: techcrunch.com

Continue lendo

Top

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com